Professoras são homenageadas na AL/MS com Prêmio Zumbi dos Palmares

Personalidades importantes no combate ao racismo em Mato Grosso do Sul receberão o Prêmio Zumbi dos Palmares da Assembleia Legislativa de MS, em sessão solene nesta quinta-feira (17), às 19h30, no Plenário Deputado Júlio Maia. A proposição do evento é do deputado estadual Amarildo Cruz (PT). Entre os homenageados estão as professoras Benedita Marques e Eugênia Portela.

A solenidade é em alusão ao Dia da Consciência Negra que é comemorado em 20 de novembro como forma de lembrar a morte de Zumbi dos Palmares, símbolo da resistência negra à escravidão, ocorrida em 1695. O Dia da Consciência Negra foi criado em 2003 e instituído em âmbito nacional pela Lei 12.519, de 10 de novembro de 2011.

“Embora a luta pelo fim do preconceito e pela igualdade racial seja diária e ainda haja muito a ser conquistado, temos sim que celebrar a data e homenagear àqueles que, diariamente, trabalham para que o racismo perca força não só no nosso Estado, mas em todo o Brasil”, afirmou o deputado Amarildo Cruz.

Professoras em luta pela educação e contra o preconceito

As professoras que receberão o Prêmio Zumbi dos Palmares, Benedita e Eugênia, têm uma história de trabalho e luta na educação pública que se mistura à militância em defesa dos direitos dos negros.

Benedita Marques Borges é especialista em educação efetiva na REME (rede Municipal de Ensino) há 20 anos. É formada em Pedagogia com especialização em Psicopedagogia e mestrado em Educação, tendo como linha de pesquisa as Políticas Públicas em Educação x Formação de Professores e Diversidade Étnico Racial. Atualmente é orientadora educacional na Escola Municipal Professor Hércules Maymone.

Eugênia Portela de Siqueira Marques é graduada em Pedagogia, Letras e Direito e Pós-Doutora em Educação. Foi professora da REME por 27 anos, quando se aposentou em 2013. Atuou como professora em várias escolas e encerrou a carreira no magistério municipal como vice-diretora da Escola Municipal João Evangelista Vieira de Almeida. Desde 2011 é docente da UFGD (Universidade Federal da Grande Dourados), onde, atualmente é coordenadora do Núcleo de Estudos Afro Brasileiros – NEAB / UFGD.