Durante Conselho de Presidentes, Fetems detalha negociação com o Estado sobre Piso 20h

A Fetems (Federação dos Trabalhadores em Educação de Mato Grosso do Sul) repassou, durante o conselho de presidentes nesta segunda-feira (13), o  andamento das negociações com o Governo do Estado sobre a correção do Piso 20h.

Segundo a Federação, durante a reunião com o governador do Estado, Reinaldo Azambuja, sua vice, Rose Modesto, a secretária de educação do Estado, Maria Cecília Amendola da Mota e equipe, na tarde de quinta-feira (9), na governadoria, ficou acertado que o Governo dará uma posição, até o dia 31 de março, sobre a aplicação da correção do piso salarial (7,64%) e como vai resolver a questão dos retroativos, tanto do Piso, que deveria ter sido aplicado a partir de janeiro de 2017, quanto das promoções funcionais, que deveriam ter sido publicadas em outubro do ano passado.

De acordo com o presidente da FETEMS, Roberto Magno Botareli Cesar, a reunião foi produtiva e teve encaminhamento positivos, mesmo que os resultados não tenham sido todos como o esperado. “Conseguimos tirar o compromisso da publicação da Promoção e da Progressão que aconteceu nesta segunda-feira (13), que aliviará e muito a vida funcional de quem está aguardando isso para entrar com o processo de aposentadoria, gostaríamos de ter avançado mais nas outras duas questões, mas o momento financeiro do Estado exige de nós cautela e negociação, porque a partir do momento que judicializarmos a questão podemos dar ainda mais morosidade na conquista dos nossos direitos”, explicou.

O presidente da ACP, Lucílio Nobre, que esteve no conselho da Fetems na segunda-feira (13), reforçou a importância de manter a negociação com o Governo do Estado. “Nós acreditamos na capacidade direção da Fetems em defender nossos direitos na mesa de negociação. Como sindicato de base filiado à Federação, nós respeitamos o prazo firmado entre a Fetems e o Governo. Assim que a Federação nos atualizar sobre o andamento das negociações, nós repassaremos aos nossos filiados”, explica Lucílio.

No conselho de presidentes também foi reforçada a necessidade da participação de todos os profissionais da educação pública de MS na Greve Geral Nacional. “Em Campo Grande, o movimento está forte. Todas as escolas estarão paralisadas a partir desta quarta-feira. Vamos à luta contra o fim da aposentadoria”, conclama Nobre.