Brasil em defesa da classe trabalhadora

A ACP (Sindicato Campo-grandense dos Profissionais da Educação Pública), de Campo Grande – MS, reunido em 30/08/2013 com seus filiados das redes estadual e municipal, realizou panfletagem pelo Dia Nacional de Lutas – paralisação encaminhada pelas entidades estadual e nacional – FETEMS – CNTE.

Os trabalhadores exigem do governo e do congresso nacional, medidas que aprovem as reivindicações constantes nas pautas trabalhistas; além de melhores condições de saúde, educação, transporte e segurança, possibilitando melhores condições de moradia e trabalho.

Sabe que os avanços obtidos até então foram resultados de lutas que se desenvolveram ao longo de anos, buscando a valorização da classe trabalhadora. Especificamente continuam os entendimentos para a aplicação do piso salarial nacional de educação que tramita a mais de três anos – profissionalização dos funcionários da educação, a não aprovação do projeto de lei 4330/2004 de autoria do deputado federal Sandro Mabel.

Como pauta estadual e municipal os trabalhadores cobraram:

1) Piso para jornada de 20horas semanais;

2) Eleição direta para diretores;

3) Transferência dos Ceinfs da SAS para SEMED;

4) Chamada dos professores concursados em 2009;

5) Realização de concurso público.

Cerca de 70% das escolas das redes estadual e municipal paralisaram suas atividades, e será reposto para os alunos com a finalidade de dar cumprimento aos dias letivos e à carga horária do aluno.

No período vespertino, cumprindo o dia de paralização, os professores estiveram na Assemebleia Legislativa de MS – participando do seminário sobre a reforma do ensino médio cujos palestrantes foram a Secretária Estadual de Educação, professora Nilene Badeca, e os deputados federais Antonio Carlos Biffi e Geraldo Rezende.

O sindicato reconhece os interesses dos trabalhadores que estiveram em praça pública no dia 30, levando ao poder publico federal, estadual e municipal as suas reivindicações.