Aulas recomeçam remotas na Rede Estadual e ACP cobra urgência na vacinação

Defendido pela ACP, Fetems e toda a categoria, o retorno das aulas na Rede Estadual de Ensino de maneira remota foi informado pela Secretária de Estado de Educação, Maria Cecília Amêndola da Motta, no fim da tarde desta quinta-feira (25). A secretaria ainda afirmou que a partir da próxima segunda-feira (01/03), as escolas estarão abertas para fazer uma acolhida aos alunos, respeitando os protocolos de biossegurança, durante as duas primeiras semanas de março, e, a partir de abril, as aulas passam a ser presenciais, no formato híbrido.

A ACP segue defendendo a decisão da categoria, deliberada em Assembleia Geral da Fetems, no dia 23 de março, em manter as aulas remotas, até que haja a vacinação de todos e todas, com prioridade para os trabalhadores da educação. O sindicato informa que a Fetems enviará ofício à Secretária de Estado de Educação, solicitando a a formalidade do que foi veiculado nos meios de comunicação, quanto ao retorno das aulas na Rede Estadual de Ensino, e cobrando ainda que a decisão da categoria de manter as aulas remotas enquanto não acontecer a vacinação seja respeitada.

“Nós defendemos a vacina para todos e todas, com prioridade para o grupo de trabalhadores da educação! 97% da categoria decidiu, em assembleia, pela continuidade das aulas remotas enquanto a vacinação não ocorrer, uma vez que entendemos não haver segurança para o retorno presencial, ainda que de maneira híbrida, no atual momento, quando vivemos um surto de casos de COVID-19 no Estado”, afirmou o presidente da ACP, professor Lucílio Nobre.

O sindicato também julga ser muito arriscada a proposta de receber alunos nas escolas, uma vez que expõe estudantes, professores e toda a comunidade ao contágio. “Nós consideramos desnecessária essa acolhida, até irresponsável, porque estamos vendo um aumento nos casos de COVID no estado e, ao colocar os alunos em circulação, sobretudo pelo transporte coletivo que é o segundo local de maior contaminação, é natural que se aumente o risco de exposição ao coronavírus”, argumenta a vice-presidente da ACP, professora Zélia Aguiar.

A partir do dia 1º de março, a diretoria da ACP visitará as unidades escolares da Rede Estadual em Campo Grande, para acompanhar o processo de início das aulas remotas e a acolhida, bem como fará um levantamento das reais condições das escolas. “O sindicato também está de prontidão, caso sejam verificados abusos durante os procedimentos nas escolas estaduais. Nós seguimos defendendo a posição da categoria: vacina já para termos aulas presenciais com segurança”, conclui Nobre.

Veja o vídeo do professor Lucílio Nobre!

ACP – Desde 1952, nossa luta não para!