#04AGO – Live ACP faz homenagem a educadores falecidos durante a pandemia de Covid-19

Em meio à emoção, a ACP promoveu, na quarta-feira (04), a Live ACP “04 de Agosto – Lutas, memórias, homenagens”. A transmissão ao vivo aconteceu na página do sindicato no Facebook e canal do YouTube. Sob o comando da secretária social e cultural, professora Socorro Pereira, o sindicato relembrou a data marcada como o dia que não acabou, reforçando o combate à violência contra os professores, com destaque para a luta, a dor e o luto pelas vidas perdidas de educadores e educadoras, durante esta pandemia de Covid-19.

A cerimônia iniciou com a professora Socorro fazendo um resgate da luta histórica que marcou o dia 04 de agosto de 2015, quando durante greve da REME, professores(as) foram agredidos(as), dentro da Câmara Municipal de Vereadores de Campo Grande. Socorro também ressaltou a luta atual da ACP e toda a categoria, em defesa da vida e no combate à Covid-19. A vice-presidente da ACP, professora Zélia Aguiar, falou sobre aquele dia de luta e a dor dos últimos meses, ao perder companheiros e amigos em meio à pandemia.

“Há seis anos, nós enfrentávamos uma luta por piso salarial, em uma greve que durou 90 dias. Estavávamos na Câmara municipal quando numa demonstração de intransigência e falta de respeito aos professores e professoras, houve aquele ato de violência contra trabalhadores que lutavam por seus direitos. Nesses seis anos, aconteceram várias coisas em nosso país, nós passamos por reformas, por perdas de direitos que ainda estão refletindo na nossa vida funcional e como cidadãos e cidadãs. Atualmente, seguimos nossa luta pelo Piso Salarial que ainda não se concretizou. Esta diretoria, juntamente com a categoria, continua incansável, fazendo a luta e mantendo o espírito de coletividade para defender nossos direitos. E para aumentar a nossa dor e a nossa luta, ainda temos essa pandemia. Os professores não pararam seu trabalho, realizando de maneira cansativa, com recursos próprios, e agora voltamos às aulas presenciais, ainda com vários problemas, mas os educadores estão lutando bravamente pela educação, contra a pandemia e esse desgoverno. Para viver no Brasil, atualmente, é necessário valorizar a nossa luta e manter a esperança viva!”, pontuou Zélia.

Após a fala da vice-presidente, foi exibido um vídeo que recordou as ações da greve de 2015 e o contexto do 04 de agosto. O trabalho foi resultado da conclusão do curso de formação sindical 2021, turma 1, sob a responsabilidade do secretário de formação sindical da ACP, professor Gilvano Bronzoni.

Homenagens

O grande momento da Live ACP – 04 Agosto foi a homenagem póstuma aos 70 professores e professoras que faleceram nos anos de 2020 e 2021, durante a pandemia do novo coronavírus, vítimas diretas da Covid-19 ou não. Após uma mensagem de fé, conduzida pelo professor filiado à ACP e presidente do Conselho de Capelania Hospitalar de Mato Grosso do Sul, Adão José Pereira, a professora Socorro anunciou o nome de cada um dos 70 falecidos, enquanto suas fotos eram exibidas no telão. Após o nome de cada professor ou professora, os demais diretores da ACP, presentes no Espaço de Formação e Clube de Campo, gritavam: presente! A palavra de ordem foi uma forma de valorizar a vida, a luta e o legado de cada uma daquelas pessoas.

“É em meio a muita emoção, dor e sensação de luto que anunciamos esses nomes, mas seguimos na luta, valorizando sua vida, transmitindo uma mensagem de consolo e solidariedade aos familiares de cada pessoa, professor e professora, que dedicou uma parte de sua vida à educação pública e a luta por um mundo melhor e mais justo”, destaca Socorro.

Para finalizar, o presidente da ACP, professor Lucílio Nobre, ressaltou a violência com que a pandemia de Covid-19 está assolando nosso país.

“Hoje, nós estamos tristes, infelizmente a tristeza é algo que transpassa nossa vida nesses dias tão difíceis da pandemia. Nossa singela homenagem se torna pequena, tudo o que nós façamos será pouco perto do que esses companheiros e companheiras representaram para a ACP, para a educação, para seus familiares. Essa é a forma que encontramos de memorar esse momento de muita dor da nossa história. E por que tanta dor, tanta tristeza? Quando nós falamos aqui do 04 de agosto e a violência que sofremos, infelizmente essa violência é constante com educadores e toda a nossa população. A educação não é valorizada como deveria, isso também é violência. Essa aposta do governo em contaminar 70% da população para alcançar imunidade coletiva é violência. Representou mais de 560 mil brasileiros mortos até hoje. Devemos seguir lutando contra essas e todas as outras formas de violência, em memória dos nossos valorosos e valorosas companheiras que ficaram pelo caminho”, declarou Nobre.

A homenagem foi encerrada com a soltura de balões, a partir do campo da ACP, sendo que cada balão continha uma semente de Guatambu, e Ipês branco e amarelo. “Pensando na vida, a semente morre para germinar e florescer, nós finalizamos nossa homenagem dessa maneira, para representar tudo o que essas pessoas deixaram em vida e o seu legado, que vai florescer, dar sombra e continuar entre nós”, conclui Socorro.

ACP – Desde 1952, nossa luta não para!